Terça-feira, 27 de Junho de 2017
17-06-2017

Vereador Daniel Marques cobra explicações do Executivo quanto a aumento em licitação


  • Imprimir
  • Compartilhar

 Ofício pede detalhamento dos cálculos feitos pra chegar ao valor atual de R$ 110 mil

 

Na sessão desta terça-feira (13) o vereador Daniel Marques (PMDB) ao fazer uso da tribuna, exigiu explicações sobre o valor exagerado de um contrato de licitação entre a prefeitura de Ponta Porã e uma empresa desconhecida, referente a serviços de iluminação pública.

 

Na última sessão do dia 06, o vereador Daniel Marques (PMDB) havia dado entrada no pedido via requerimento de nº 575/2017 na Câmara Municipal de Ponta Porã, 

mas em consideração a um pedido feito por alguns vereadores da base, resolveu transformar o requerimento em forma de Ofício, pois o parlamentar afirma que agiu não por vontade própria, mas se sentiu forçado por alguns colegas da casa, esperando retorno positivo, pois seu requerimento havia sido rejeitado pela maioria.

 

O vereador exige informações mais detalhadas sobre o valor de um contrato superfaturado entre a prefeitura e uma empresa prestadora de serviços de iluminação pública, pois segundo o vereador, em 2011 na gestão do ex-prefeito Flávio Kayatt (PSDB) o valor dessa licitação era de R$ 15 mil, um preço considerável justo.

 

Passados dois anos, em 2013, na administração do ex-prefeito Ludimar Novais (PDT), o mesmo fez uma licitação no valor de R$ 60 mil pelo mesmo serviço.

 

Para o arrepio dos contribuintes, na semana passada o atual prefeito Hélio Peluffo (PSDB) autorizou que uma empresa executasse o mesmo serviço que saltou de R$ 15 mil em 2011, para R$ 63 mil em 2013 e agora a bagatela de R$ 110 mil. "É muito dinheiro", afirma o parlamentar.

 

O vereador lamenta a omissão de alguns colegas da casa, e diz que passados seis dias de encaminhado o Ofício ao poder Executivo, o prefeito Hélio Peluffo Filho (PSDB) vem fazendo pouco caso do documento. "Se o Prefeito não seguir o que determina a Lei, qual é a função do Vereador?", pergunta. "É aí que entramos em ação", concluí.



  • Imprimir
  • Compartilhar